Biblioteca


A pulsão em Freud e Lacan - Parte III

  • do Rio Teixeira, Marcus

Corpo, Pulsão, Gozo – Curso Campo Psicanalítico de Salvador 2016
A pulsão em Freud e Lacan (parte III)

A pulsão em Freud e Lacan (parte I)

  • do Rio Teixeira, Marcus

    Se a teoria psicanalítica nos ensina que o corpo do falasser é desnaturado, que não é um corpo animal; se a clínica nos mostra que ele se distingue do organismo, que não pode ser reduzido a sistemas de órgãos regidos pelo funcionamento fisiológico; cumpre definir conceitualmente de que forma se organiza esse corpo.

A pulsão em Freud e Lacan (parte II)

  • do Rio Teixeira, Marcus

Dando continuidade Ao Estudo da pulsão, abordaremos Nesta aula OS SEUS Componentes da forma Que Freud OS definir nenhuma Artigo metapsicológico Seu, Bem Como os comentarios Google de Lacan a Partir do Seu Seminário 11, Os Quatro Conceitos de Fundamentos da psicanálise.

A pulsão, seus destinos e o percurso do sujeito em análise

  • Gatto, Clarice

O sujeito da psicanálise - Sonia Magalhães (Organizadora)

Publicação da Associação Científica Campo Psicanalítico

Corpo e Pulsão

  • do Rio Teixeira, Marcus

Antes de tudo, é necessário explicitar a que estamos aludindo ao falarmos de corpo, evitando dessa forma nos referirmos ao corpo no sentido do senso comum: um dado evidente, cuja mera evocação responderia às questões sem necessidade da teoria.

Corpo, pulsão e gozo

  • do Rio Teixeira, Marcus

"Que corpo? Temos vários." (O Prazer do Texto, 39) Tenho um corpo digestivo, tenho
um corpo nauseante, um terceiro cefalágico, e assim por diante: sensual, muscular (a mão
do escritor), humoral, e sobretudo: emotivo: que fica emocionado, agitado, entregue ou
exaltado, ou atemorizado, sem que nada transpareça. Por outro lado, sou cativado até o
fascínio pelo corpo socializado, o corpo mitológico, o corpo artificial (o dos travestis
japoneses) e o corpo prostituído (o do ator).

Mais-de-gozar

  • do Rio Teixeira, Marcus

A abordagem inicial do objeto da pulsão nos conduziu diretamente à questão da materialidade e/ou imaterialidade do objeto a. Trata-se de uma questão nada simples, frequentemente escamoteada em discussões acerca desse conceito por meio do recurso a definições categóricas do objeto a enquanto falta, vazio, furo, etc.

O objeto da pulsão

  • do Rio Teixeira, Marcus

Dentre os conceitos elaborados por Lacan, o objeto a talvez seja o que apresenta a maior dificuldade na sua definição, uma vez que na sua vertente real ele não faz parte do campo das percepções, não é um objeto da realidade.

Por uma teoria lacaniana das pulsões

  • Laznik, Marie-Christine

No Seminário 11, Os quatro conceitos fundamentais da
psicanálise, Lacan faz uma longa retomada do texto de Freud de
1915, As pulsões e suas vicissitudes. Trata-se para Lacan de
uma releitura da primeira teoria das pulsões à luz da segunda.

Quando a alienação faz falta

  • Laznik, Marie-Christine

O não-olhar entre uma mãe e seu filho, e o fato que a mãe
não possa se dar conta disso, constitui um dos principais sinais que
permitem formular, durante os primeiros meses da vida, a hipótese
de um autismo — estereotipias e automutilações aparecem
somente no segundo ano de vida.

Palavras-chave

© Campo Psicanalítico - Todos os direitos reservados
carlosedu